Saude em Cuba ...
 Rede MPL:
A mostrar resultados 1 para 7 de 7

Título: Saude em Cuba ...

  1. #1
    Banido Excalibur's Avatar
    Data de Registo
    Jan 2004
    Localização
    No Exilio
    Posts
    22,181

    Question Saude em Cuba ...

    Já em diversos tópicos se falou dos sistema de Saude dos EUA, dos modelos noutros países, e sobre Cuba já se ouviu por aqui palavras menos boas e de franco escárnio.

    Sinceramente não o conheço, contudo vou aqui colocar a seguinte reportagem que certametne espelha o sentimento de algumas famílias portuguesas.

    Cuba: Meninos portugueses procuram cura no país de Fidel

    O significado cubano da palavra milagre

    Mal abre a porta e o mundo gira num barril de esponja, anos de vida para o ver cair ao canto da sala. Pediu dinheiro em latas. Nas lojas. Deu o que tinha. Fez-se luz e não há-de parar. “Vocês viram.”

    Os olhos de mãe brilham mas o médico pede calma. Sorri. Rafaela não é um peso morto, o corpo mole que nem sustinha a cabeça. “Há-de ser independente”. E vale por tudo. Da luz do dia à comida que Tânia quase não vê. “Abdiquei. Como restos de pão, cá me arranjo. Mas olhem que ela não fazia isto”, a filha de três anos que já se agarra e levanta. “Talvez no fim se equilibre. Que orgulho.” Um ano depois de Cuba e 30 mil euros em esperança. Partiram de São João da Madeira “sem diagnóstico mas com suspeitas de tudo”. Doença metabólica ou muscular. Nada. Foi bebé apático e bolsava de jacto. Não retinha comida e só perdia peso. “Pequeno atraso”, diziam no Porto. Rafaela tem lesão estática no sistema nervoso central e aposta tudo no país da neurociência. Sete horas por dia. Três ciclos de um mês. Muitas são as especialidades de Havana, mas o regime de Fidel só dá saúde a cubanos ou latino-americanos. Para quem não pode, há que investir na ‘gloriosa nación’. E é o que já faz Vila Real de Santo António, com a Câmara a financiar obras para aceder aos ‘milagros’ da medicina.

    O acordo passa por Playa, município anexo à capital e onde se ergue o novo centro infantil. Avança pela música, nos artistas que já passaram pelo nosso País. E está fechado aos 50 mil euros, contrato plurianual para equipamentos sociais. É quanto basta a Luís Gomes, 34 anos, para abrir as portas da ciência a Vila Real. “A Câmara paga as viagens”, adianta, e Cuba dá acesso ao Centro Internacional de Restauração Neurológica (CIREN). Tânia mexeu-se, furou, perguntou. “Sem apoios do Estado”, a filha fecha três ciclos e regressa a casa. Mas a fisioterapia não pode parar. Esperam-na bolas e rolos.

    Rafaela fez um amigo no quarto ao lado. “Longe de Portugal, apoiamo-nos. Ainda falamos a mesma língua”, brinca a mãe do João. Sandra dedica-se ao filho desde que este nasceu. Seis anos. Bebé prematuro e mal ventilado. Fatal. A hemorragia deixou coágulos e a paralisia cerebral apanha os movimentos. Segurou a cabeça aos cinco meses, gatinhou aos 18. Uma vida de atrasos e cirurgias. A família pediu empréstimos e deixou a Costa de Caparica. Mas hoje João larga as talas. “Saltos pequenos graças ao trabalho muscular.” E na caixa de ar, “para maior oxigenação do cérebro”, adianta Carlos Rizo, chefe do serviço de neurologia infantil.

    A paralisia cerebral combate-se. “Basta orientar a plasticidade neural a tempo.” E o estímulo começa ao fim do primeiro ano, o cérebro formado e a criança menos dependente da mãe. Já o sucesso está na ciência, mas muito na humanização do trabalho. “A persistência traz resultados e a regeneração do sistema nervoso é possível”, insiste o presidente Julian Blanco. São 150 crianças por ano. Entregues no CIREN à reabilitação física e multidisciplinar. Sete horas de actividade por dia. E a dedicação de neurologistas e pediatras. Ortopedista e neuropsicólogo. Além de enfermeiras, terapeutas da fala e oito especialistas em reabilitaçao. A estimulação é física e biofísica. Eléctrica. “Recorre-se à tecnologia e tratamentos inovadores.” Na base está a investigação científica.

    O futuro está nas crianças mas também nos adultos. São milhares no CIREN atrás de qualidade de vida. Sofrem de traumas na espinal medula ou lesões estáticas do cérebro. AVC. Associadas ao envelhecimento ou degenerativas. Parkinson. “Traçamos um caminho” sem falsas promessas. Só resultados. Nos “80 a 90 por cento”. E agora a dois passos de Vila Real, depois do acordo de cooperação fechado na última semana. “Os nossos doentes têm acesso em condições especiais”, garante o presidente da Câmara, e o protocolo passa ainda por ter em Portugal “técnicos cubanos a formarem quadros na área da saúde”.

    O QUE RESTA DE UM PRÉDIO

    O que resta de um prédio verde cobre o Ministério para o Investimento Estrangeiro e Colaboração Económica, garante da eficiência nos escassos acordos com o exterior. E canaliza-os para “três sectores de maior impacto social”. As gratuitas saúde, educação e segurança alimentar, bandeiras de um regime sem voz nas grandes fontes de cooperação internacional. Fora do Banco Mundial ou Fundo Monetário Internacional, funciona a saúde como moeda de troca pelo petróleo da amiga Venezuela. Isto além da escola latino-americana. É ali que jovens do terceiro mundo se fazem médicos sem pagar. E pode o protocolo com Vila Real “abrir outras portas com o povo português”, reforça Irelis Domenech, responsável de um partido único pela cooperação com a Europa. Cuba apela à injecção de capital e acena com a força do conhecimento. Ciência ao serviço da saúde e educação.

    Nos jornais e rádio de um carro podre não há actualidade. Mundo. A informação por estradas de pó que ligam 19 municípios da província de Havana é feita de orgulho numa revolução passada. “Pátria ou morte”, lê-se nos cartazes pelos campos de trabalho, entre outras tiradas e prelecções de Fidel a Che Guevara. Já “igualdade” é palavra-chave nas ruas da capital, inscrita até à exaustão em ruínas das velhas casas coloniais. Chicago dos anos 30 revê-se no fumo negro dos Cadillac, Buick ou Chevrolet, remendados nas bermas de avenidas largas e numeradas ao estilo de Nova Iorque. Onde não há queixas e só a causa do “comandane-chefe” vem a calhar, abrem-se telejornais com a Venezuela. Afinal, país “com a maior liberdade de expressão no Mundo”, palavras de um governante local.

    CONFUSÃO POLÍTICA

    Partido e Gocverno confundem-se há mais de 40 anos. Mas não desarmam. E os males do regime mantêm-se “no bloqueio norte-americano”, entrave às relações de Cuba com o resto do Mundo. Barco que atraque na ilha de Castro não roça portos dos EUA nos seis meses seguintes. Mas o caminho é de integração para toda a América Latina, acreditam os comunistas. “A política americana limita o intercâmbio até na ciência, só na medicina ninguém nos consegue parar”. Turismo, níquel, gás, algum petróleo e biotecnologia são primeiros recursos. E se a produção de açúcar “é muito importante”, a mais-valia dos serviços é essencial. Há que gerir o “grande prestígio internacional da medicina cubana”, lança o vice-ministro Ricardo Guerrero Blanco.

    Três milhões de toneladas de petróleo não alimentam um país com sete centrais termoeléctricas. Cuba consome oito milhões. E aqui entra a Venezuela. Procuram-se pela Europa investimentos na construção e o regime de Chávez ajuda no “grave problema” dos transportes. Guerrero Blanco chama-lhe “guerra económica” e o bloqueio significa menos 100 mil milhões de dólares. Só entre 89 e 93 o PIB caiu 35 por cento, quatro anos em que o corte eléctrico chegava às 20 horas por dia. Mas “Cuba será um país de homens da ciência”, fez saber Fidel, ainda nos anos de brasa da Revolução.

    Formaram-se recursos humanos no Canadá, Espanha ou França, no Instituto Pasteur. Fundaram o Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia, orgulho nacional. E “são hoje professores”, recorda o vice-ministro. Foi com o fabrico de Interferon que pararam a epidemia de Denge, em 1981. E mais tarde controlaram os avanços da sida, herpes ou hepatites. “Retira-se do gene da célula humana e introduz-se na célula bacteriana”, adianta o físico Manuel Castañeda. Coordenam 90 projectos de investigação na luta contra o cancro ou Alzheimer. Além das 15 moléculas produzidas e testadas em animais aquartelados na quinta junto ao centro.

    Há 13 vacinas para protecção da população e, desde 1980, a esperança de vida subiu dos 72 aos 78 anos. “Morriam 19 e agora apenas cinco crianças em cada mil nascidas.” Em toda a América “só o Canadá consegue melhor”.

    Entramos no lar materno, em Havana Velha, e percebemos porquê. Mais de 50 camas, num pequeno município, onde toda a gravidez é controlada. Peso, hipertensão ou educação nutricional. “Além de toxicodependentes e sida”, segundo a enfermeira-chefe, em que a mãe é sujeita a tratamento e o filho “nasce sem a doença. Hoje não há casos de crianças com sida”.

    Os 70 mil habitantes de San José, segundo município da província de Havana, sobrevivem entre a cerâmica, alumínio ou agropecuária. Mas na saúde nada lhes falta. Cinco policlínicas entre 15 institutos médicos. Arrastam-se em bando por transportes improvisados em camiões, debaixo de 35 graus e humidade intensa. Mas formam-se 89 médicos por ano. Mais 669 ligados à saúde pública. Todos os municípios têm universidade, até nas prisões há formação. Seis anos de curso e, ao segundo, são integrados em consultórios. As policlínicas têm 23 serviços e, só em San José, somam-se 511 técnicos e enfermeiros aos 259 médicos. Quem chega de urgência é estabilizado e faz todos os exames. “Só em casos muito graves vão ao hospital central. O objectivo é descentralizar”, diz William Marrero Garcia, 42 anos, director das cinco policlínicas locais.

    Laser e tecnologias de ponta lideram no tratamento e controlo de deficiências visuais. Faz-se um diagnóstico precoce e, “só nos últimos três anos, 700 mil pessoas voltaram a ver com a operação milagre”, recorda Carmen Padilla, vice-directora do Instituto Pando Ferrer. É num prédio por acabar, entre barracas e o trânsito caótico de Playa, que 61 oftalmologistas atendem mais de mil doentes por dia. E operam cataratas como todos os problemas de visão. Em 34 blocos cirúrgicos. A estreia, em 2004, fez-se com 14 mil venezuelanos curados em quatro meses. Um sucesso. “Temos acordos em 28 países asiáticos, Caribe e América Latina, é a forma de quem não pode pagar aceder às tecnologias mais modernas”. Foi ali que um casal venezuelano se viu pela primeira vez, já casados e “com um filho pequeno” que a operação também curou. E será este o próximo passo do município algarvio, diz Luís Gomes. Conseguir que “as pessoas de Vila Real tenham acesso à operação milagre”.

    Perdido nos subúrbios de Havana encontramos o Complexo Científico Internacional Ortopédico, considerado dos melhores do Mundo. Em camas e infra--estruturas, rodeado por três hotéis e 600 camas que atraem doentes do exterior. A reabilitação é feita em todas as patologias, 16 serviços com 33 unidades cirúrgicas e 24 salas de operação. Os 1500 médicos, técnicos e enfermeiros dedicam-se aos 8000 cubanos e 500 estrangeiros operados por ano. Entre outros casos de reabilitação. E ali funciona o Centro Nacional de Traumatologia do Desporto, onde os atletas olímpicos e outros de alto rendimento curam lesões. “O segredo está em tratá-las de acordo com as especificidades do desporto em causa”, confessa o director-geral Rodrigo Cambra. “E isso faz toda a diferença”, diz o professor, enquanto nos recebe no velho gabinete forrado a distinções e fotografias ao lado de Arafat, Saddam, Mitterrand ou Fidel, o comandante-chefe do regime de Havana e único ainda vivo.

    O segredo da medicina cubana, à falta de meios técnicos, “está na humanização. No empenho. E o atendimento é essencial”, evitar ao máximo o consumo de fármacos. “Somos verdadeiros médicos de família e sabemos tudo sobre a pessoa. A componente psicológica é muito importante.” Saúde e educação chegam a todos, mas Playa ou San José são municípios pobres. O espelho de um país de economistas e arquitectas votadas à prostituição. As raparigas atacam turistas perdidos entre mojitos e longos charutos.

    A histórica Havana Velha é o um mundo à parte. Ali passa o mesmo modelo social para arejadas casas coloniais do século XVIII, restauradas e onde se reabilitam em conforto mais de 40 crianças deficientes. É o centro do país. Da cultura. Onde o chão brilha para o turismo. E dois entre dezenas de elegantes bares têm placas à porta. Ernest Hemingway ia ao Floridita, a Casa de las Infusiones era a esplanada onde se sentava Eça de Queiroz nos seus tempos de cônsul português em Havana.

    CUBA É UM PAÍS POBRE MAS ALEGRE

    Um país em que a saúde é para todos, a educação também. Mas para centenas de raparigas, o ‘canudo’ fica no armário quando percorrem os bares e os cafés de Havana à procura de turistas que queiram companhia paga. Nos prédios velhos, a Revolução está presa nas fachadas: viva Che e El Comandante. É neste país que David e a mãe Glória, ambos portugueses, procuraram o milagre da recuperação.

    LÍDER OMNIPRESENTE

    Fidel Castro continua a ser omnipresente em cada casa, em cada rua, em cada momento da vida cubana. Ironicamente, foi a saúde (ou a falta dela) que obrigou El Comandante a sair temporariamente de Cuba.



    TESTEMUNHOS

    João e a mãe que, em terras cubanas, soube melhor o significado da palavra ‘milagro’. O seu menino nasceu com paralisia cerebral. Hoje em dia João move-se melhor, largou as talas. “Saltos pequenos graças ao trabalho muscular”, diz Carlos Rizo, chefe do serviço de neurologia infantil.

    Rafaela é a alegria da mãe Tânia. Os progressos no cubano CIREN são evidentes: a filha de três anos já se agarra e levanta. Coisa impensável até há relativamente pouco tempo. A menina nasceu com uma lesão no sistema nervoso central. Tânia fez das tripas coração para alimentar a esperança. Na foto do lado direito, Rodrigo Cambra, director do Hospital Cientifico Ortopédico Frank Paris, uma das unidades a receber gente de várias nacionalidades.



    INVESTIMENTO

    O edil de Vila Real de St. António junto ao vice-ministro que lida com o investimento estrangeiro. Luís Gomes justifica o esforço financeiro com “as enormes carências do Serviço Nacional de Saúde em todo o Algarve e no país em geral.”

    Henrique Machado
    Reportagem - Diário de Referência


  2. #2
    Piloto de Testes mrmike's Avatar
    Data de Registo
    Feb 2007
    Posts
    2,614

    Por Defeito

    Citação Originalmente Colocado por Excalibur Ver Post
    Já em diversos tópicos se falou dos sistema de Saude dos EUA, dos modelos noutros países, e sobre Cuba já se ouviu por aqui palavras menos boas e de franco escárnio.

    Sinceramente não o conheço, contudo vou aqui colocar a seguinte reportagem que certametne espelha o sentimento de algumas famílias portuguesas.
    Tenho andado atrás deste tema e acho que já existem muitas provas dasas, mas também casos de insucesso e desilusão. Eu acredito na maior parte das potencialidades deste país!

    Bom tópico! Alguém tem experi~encias na 1ª pessoa?

  3. #3
    Banido Excalibur's Avatar
    Data de Registo
    Jan 2004
    Localização
    No Exilio
    Posts
    22,181

    Smile

    Embora não diga propriamente respeito a cuidados de saúde, mas sim a investigação, deixo este artigo que é curioso, pela particularidade de criar uma excepção sobre o embargo decretado pelos EUA a Cuba.

    A empresa Smith Kline Beecham Pharmaceuticals, obtém uma licença do Governo Federal dos EUA.

    Curioso ... a quem interessaria mais este convénio.

    Cuba segue na liderança em tecnologias de saúde

    Por Patrícia Grogg*
    Um produto médico, a vacina contra a meningite tipo B, permitiu a primeira abertura no embargo norte-americano, que desde os anos 60 proíbe todo comércio de empresas desse país com a ilha, onde há 1,8 cientistas para cada mil habitantes.
    HAVANA.- Ao começar o século XXI, Cuba destaca-se entre os países do Sul por seu notável progresso em tecnologias de saúde, a cujo desenvolvimento dedicou, enfrentando dificuldades econômicas, importantes recursos materiais e humanos. Entre as múltiplas descobertas dos cientistas da ilha destaca-se um, não só por seu impacto social, mas também por seu significado político: a vacina contra a mortal meningite B. Única no mundo, a vacina denominada VA-Mengoc-BC, abriu o caminho para o primeiro caso de transferência de tecnologia de Cuba para o Norte industrializado.

    A empresa anglo-norte-americana Smith Kline Beecham Pharmaceuticals obteve, em junho de 1999, autorização do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos para assinar com o Instituto Finlay, de Havana, um convênio com o objetivo de introduzir a vacina no mercado europeu. Ainda está em marcha o complexo processo que permitirá a venda na Europa e, posteriormente, nos Estados Unidos, do antídoto contra a meningite B, uma doença que não respeita classes sociais, nem o maior ou menor grau de desenvolvimento. Desde sua assinatura, o contrato permitiu a primeira abertura no embargo norte-americano, que desde os anos 60 proíbe todo comércio de empresas desse país com Cuba.

    “Eles (os EUA) não têm essa vacina e dela precisam para seu sistema de saúde”, disse ao Terramérica Pedro López Saura, diretor de Regulamentos e Ensaios Clínicos do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB). Entre os produtos do Finlay, especializado na pesquisa e produção de vacinas humanas, estão a antitetânica Vax-TET e a Dupla Antidifetérica-Tetânica. O diretor de Assistência Científico-Técnica Aplicada do Instituto, Franklin Sotolongo, mencionou entre os projetos em curso as vacinas contra a leptospirose e contra o cólera, um produto para prevenir a meningite BC/Hepatite B e a vacina tríplice Tétano-Difteria-Pertussis melhorada.

    Boa parte do êxito de Cuba no campo da pesquisa em saúde se deve a uma ampla infra-estrutura científica e tecnológica. Existem em Cuba 1,8 cientistas e engenheiros para cada mil habitantes e 1,2% do Produto Interno Bruto destina-se a gastos no setor. O restante é aportado pela estreita coordenação entre os centros que integram o pólo científico do oeste de Havana, sendo o mais antigo deles o CIGB, que caminha na vanguarda da engenharia genética e da biotecnologia modernas. “Uma das características da ciência cubana, e da biotecnologia em particular, é a cooperação entre os centros de pesquisa e produção”, disse Saura.

    O CIGB, que em seu início dedicou-se à produção em pequena escala de interferones - incorporados ao arsenal terapêutico de enfermidades virais, hepatite e alguns tipos de câncer -, atualmente elabora e comercializa uma ampla gama de produtos. De seus laboratórios surgiu a estreptoquinasa recombinante, registrada como Heberkinasa, de comprovada eficácia em doenças trombóticas, especialmente infarto agudo do miocárdio. Além disso, seus cientistas criaram a vacina recombinante contra a hepatite B (Heberbiovac HB), tão importante como a VA-Mengoc-BC por seu impacto social, pois ambas fazem parte do programa que protege a infância cubana contra 13 doenças.

    O CIGB agora trabalha em uma vacina terapêutica contra a aids, cujos testes clínicos estão anunciados para acontecerem no início de 2002, e continua as pesquisas em busca do antídoto imunizante contra essa doença. “As variantes terapêuticas, que estimulam o sistema imune do paciente para que se defenda contra o mal, ficam prontas antes”, assegurou Saura. Ele também indicou que se tenta obter uma vacina contra a meningite tipo C. No campo agropecuário, uma vacina recombinante contra a carrapato (Gavac) permitiu ao país economizar US$ 4 milhões desde que, em 1995, começou a ser aplicada no gado bovino, em substituição aos acaricidas químicos. O antídoto obtido por pesquisadores do CIGB cria um anticorpo que reage e destrói uma das proteínas do carrapato quando este suga o sangue da rês.

    Por sua vez, o Centro de Imunologia Molecular, construído no início dos anos 90, especializa-se no desenvolvimento da imunologia com base na produção de anticorpos monoclonais e outras moléculas do sistema imunológico, fundamentalmente para o tratamento do câncer e de doenças autoimunes. Entre os medicamentos já registrados por esse centro figuram o anticorpo monoclonal Ior t3, indicado na profilaxia da rejeição do transplante renal, e o Ior Epocim (à base de ritropoyetina humana recombinante alfa), para o tratamento de anemia associada com insuficiência renal crônica. O Ior t3 foi seguido de outros anticorpos monoclonais efetivos em casos de psoríase e artrite reumatóide, até que estudos posteriores derivaram para versões que podem ser usadas no combate contra tumores de mama e pescoço, entre outros.

    Um projeto de vacina terapêutica contra o câncer poderia seguir o caminho preparado pela antimeningocócica, se a empresa mista cubano-canadense CIMYM conseguir interessar empresas multinacionais farmacêuticas para o desenvolvimento do produto.




    LInk: Tierra America

  4. #4
    Banido Nthor's Avatar
    Data de Registo
    Jul 2004
    Localização
    Veritatis simplex oratio.
    Posts
    21,085

    Por Defeito



    Cuba a mostrar que mesmo sem fazer negocio com a saúde, podem estar na vanguarda da investigação cientifica e providenciar saúde para todos.

    Pena é que os nossos investigadores não tenham incentivo e apoio, tanto dos privados como do sector público, para fazerem o mesmo por cá.

  5. #5
    Banido Excalibur's Avatar
    Data de Registo
    Jan 2004
    Localização
    No Exilio
    Posts
    22,181

    Smile

    Fica aqui uma descrição do CIREN, fornecida pelo LINK: www.seixal.com


    CIREN
    CENTRO INTERNACIONAL DE RESTAURAÇÃO NEUROLÓGICA
    O CIREN - Centro Internacional de Restauração Neurológica, é uma Instituição Científica Cubana onde foi criada uma tecnologia para o tratamento neuro-restaurativo intensivo e personalizado a partir da investigação e da prática clínica, com base nos princípios da neuro-plasticidade, a fim de se conseguir a recuperação estrutural e funcional do sistema nervoso lesionado, com um especial cuidado referente à fronteira do conhecimento contemporâneo.
    No CIREN aplicam-se os mais inovadores métodos cirúrgicos com a utilização de técnicas e planeamento automatizado a par da comprovação neurofisiológica.
    Este desenvolvimento possibilita a que no CIREN se realizem com carácter de inovação mundial e de forma exclusiva a subtalamotomia dorso-lateral selectiva para o tratamento mais eficaz da doença de Parkinson.
    O CIREN dispõe de uma infraestrutura de investigação, de serviços clínicos e não clínicos rigorosamente organizados, assim como de instalações hospitalares modernas e confortáveis, equipadas com tecnologia e instrumental de última geração, além de possuir profissionais de elevada qualificação que se distinguem pelo calor humano e consagração ao doente.
    O programa de Neurodegenerações consiste numa estratégia terapêutica que combina métodos farmacológicos, cirúrgicos e de neuro-reabilitação, que, com base nas propriedades de recuperação do Sistema Nervoso, permite compensar as alterações existentes e estimular a restauração estrutural e funcional da actividade nervosa danificada, quer em doentes afectados por sequelas de lesões agudas, quer pelos portadores de doenças crónicas do Sistema Nervoso, sendo as mais frequentes:
    • Transtornos do Movimento e Neurodegenerações
    • Doenças Neuromusculares e Escleroses Múltiplas
    • Lesões Raquimedulares
    • Lesões Estáticas Encefálicas
    • Neurologia Infantil

  6. #6
    Banido Nthor's Avatar
    Data de Registo
    Jul 2004
    Localização
    Veritatis simplex oratio.
    Posts
    21,085

    Por Defeito

    Muito bom.

    Falta saber é pq é que nós cá, pagando altos impostos não temos igual?




  7. #7
    Piloto de Troféu GansoLFM's Avatar
    Data de Registo
    May 2004
    Localização
    Algures na Savana lisboeta
    Posts
    6,773

    Por Defeito

    Citação Originalmente Colocado por Nthor Ver Post
    Muito bom.

    Falta saber é pq é que nós cá, pagando altos impostos não temos igual?



    Eu acho que é porque eles nao têem mesmo mais nada, mas também tens clro toda a corrupção que suga imenso dinheiro, por exemplo o dinheiro da IP3 e da IP5 que desapareceu, visto que ficaram mais baratas do que eram para ser, e supostamente eram é auto-estradas..

Regras de Colocação

  • Não pode criar tópicos
  • Não pode responder
  • Não pode colocar anexos
  • Não pode editar os seus posts
  •  

A Motorpress Lisboa S.A. não pode ser responsabilizada pelas opiniões, imagens, links ou outros conteúdos submetidos pelos utilizadores deste Fórum.
Este Website encontra-se registado na Comissão Nacional de Protecção de Dados.